Mar sem Beira

Cia Nós no Bambu

(Brasília – DF)

INÉDITO EM SÃO PAULO INÉDITO EM SÃO PAULO

Usando o bambu como aparelho-base, que pode virar mastro, tripé para fazer acrobacias, trapézio e até mesmo uma cama de balanço, os artistas Luciano Astiko, Poema Mühlenberg e Jackson Prado, da companhia brasiliense Nós do Bambu, desafiam a gravidade na poética de um mar (e um mundo) sem fronteiras e conceitos pré-estabelecidos. “É a síntese do entendimento resgatada na sabedoria do bambu, com seu vazio interior e flexibilidade exterior”, diz Astiko.

Em Mar sem beira, eles misturam diferentes técnicas circenses à capoeira, incorporando culturas e expressões artísticas que expandem os horizontes da própria companhia. Com direção de Fernando Villar, o espetáculo é dividido em três cenas que dialogam com a noção de territórios expandidos e a quebra de barreiras geográficas. “Cada encontro é uma oportunidade de se descobrir e se conhecer mais por meio do contato com o outro. Cada afinidade, conflito, desafio e troca de conhecimento é meio para saber quem somos. Em Mar sem Beira, trago o estado da arte do que já descobri de mim enquanto artista do bambu, que é quase nada perto do infinito que somos”, afirma Mühlenberg.

Ficha Técnica
Concepção e elenco:
Jackson Prado e Poema Mühlenberg
Direção Artística Fernando Villar
Direção de Produção: Poema Mühlenberg
Assistente de Direção: Poema Mühlenberg
Assistente de Diretor: Igor Staveland
Assistente de produção: Thais Cordeiro e Larrisa Zaine
Assobios em Sete Folhas: Jackson Prado
Cenografia: (concepção original do aparelho) Marcelo Rio Branco
Cenotecnia: Flávia Santana, Jackson Prado, Jozimar Marinho e Poema Mühlenberg
Chancela: Integral Bambu
Colaboração: Coreográfica em Capoesia Ana Flávia Almeida, Raphael Logam e Victor Abrão
Composição Coreográfica: Intérpretes Criadores e Fernando Villar
Comunicação e Gestão Financeira: Anamaria Mühlenberg
Co-produção: Galpão Bambu
Costureira: Ester Ponte
Divulgação: Liane Muhlenberg
Dramaturgia: Fernando Villar, Jackson Prado e Poema Mühlenberg
Direção Musical, Trilha Sonora Original: Músico Samuel Mota
Figurino: Maria Carmen
Fotografia de Divulgação: Daniel Lavenère
Gravação, Mixagem e Masterização Samuel Mota: Zarabatana Records
Identidade Visual: Poema Mühlenberg
Manutenção do espaço de ensaio: Joana Darc do Nascimento
Operador de Áudio: Adriano Roza
Produção Audiovisual: Alessandra Tótoli colaboração Maurício Chades
Produção Executiva: Liane Mühlenberg
Produção local: Giseli Tressi
Programação visual: Ricardo Caldeira
Projeto do sistema de segurança da cenografia: Vitor Marçal
Realização: Instituto de Pesquisa, Ação e Mobilização – IPAM
Técnico de Segurança do Trabalho: Sergio Costa

DATA E HORA

15.06.17 – 16h
17.06.17 – 16h
18.06.17 – 14h

LOCAL

Sesc Itaquera

Duração: 55 min.
Recomendação etária: Livre
Procução executiva: Liane Mühlenberg
Ingressos: Grátis

Local

Eventos Relacionados

A companhia itinerante usa um mastro sustentado por uma pessoa a três metros do chão enquanto outra sobe até seu topo e ali apresenta um número.
O trapezista César Rossi usa uma roda Cyr e uma poltrona nessa performance feita em parceria com uma violinista.
Uma mulher vestida de lona é a estrela desta performance que mistura música ao vivo e jogos cênicos.